Em 2018, a Black Friday registrou recorde com quase 5 bilhões de doláres em vendas on-line. O dia, famoso por descontos baixos, é um esforço dos varejistas para incentivar pessoas a comprarem antes das datas festivas. A ideia começou nos Estados Unidos e rapidamente de alastrou pelo mundo, itens com preços realmente reduzidos que instigam os consumidores a consumirem completamente movidos por impulso.

À medida que o mundo se torna ainda lentamente mais consciente sobre o consumo excessivo e avança para compras mais sustentáveis, diversas marcas estão optando por não participar das vendas da Black Friday. Uma dessas campanhas, apelidada de coletiva “Torne a sexta-feira verde novamente” , está incentivando as pessoas a rever quais itens existem em seus guarda-roupas que podem ser reciclados ou reutilizados em vez de comprar coisas que talvez não sejam necessárias.

Liderado pela marca francesa Faguo , o coletivo reuniu 450 outros varejistas em uma promessa de não participar do grande evento de vendas. Como parte de seu compromisso, eles também incentivarão os clientes a considerar o consumo de forma racional e responsável não somente para o Black Friday mas também como estilo de vida.

 INCENTIVANDO A SUPERPRODUÇÃO

 “A Black Friday representa um ponto dolorido em um setor com excesso de produção”, diz Cary Somers, fundadora da Fashion Revolution (FR). O grupo afirma que a “cultura de hiper desconto” estimula as marcas a produzirem estoque em excesso, pois sabem que poderão vende-lo assim que a temporada de festas chegar. Geralmente, as empresas planejam produzir muito estoque na esperança vendas, quando não realizam as vendas esperadas e os estoques estão cheios, queimam a produção com preços absurdamente reduzidos, instigando assim o consumidor a comprar peças que não precisa.

A falta de transparência protege os consumidores da quantidade de resíduos acumulados pelas empresas que fabricam nossas roupas e outros produtos que vêem seus preços caírem na véspera do Natal. O relatório Pulse of the Fashion Industry afirma que 4% do lixo global, que é quase 84 milhões de toneladas, é gerado pela indústria da moda. Embora nossa disposição de pagar por itens produzidos com responsabilidade esteja aumentando, pouco mais da metade pagaria mais, de acordo com uma pesquisa da relutância da Accenture em investir em compras sustentáveis, muitas vezes fornece raciocínio para que as marcas se recusem a adotar políticas mais sustentáveis.

“Os preços baratos podem parecer atraentes no curto prazo”, acrescenta Somers, “mas todos nós, como cidadãos globais, acabamos pagando o custo externo, o custo real do consumo insustentável e da produção de roupas baratas com base na exploração de matérias-primas, materiais, trabalhadores e meio ambiente. ”

fonte: Fashion Revolution Brasil.

MAS COMO SER SUSTENTÁVEL NO BLACK FRIDAY?

O que se deve ter em mente para compras mais conscientes, é em primeiro lugar, não comprar por impulso e analisar o que realmente está precisando, aproveitar os descontos para adquirir os itens necessários.

Outra forma de ser mais consciente nas suas compras é optar por produtos SLOW FASHION, ou seja que tem a produção em pequena escala, e também de marcas sustentáveis e artesanais, incentivar pequenas marcas e artesãos é um bom caminho para um consumo mais sustentável, quando você apoia a produção local está também colaborando para a economia local, para a renda das pequenas empresas e artesãos que tem seus sustento de seu trabalho e também com o meio ambiente.

E nós da Thirty Seven Trend acreditamos na sustentabilidade do consumo. Apoiamos marcas e artesãos que produzem de modo SLOW, sustentável e artesanal. Aqui em nosso marketplace apoiamos e ajudamos a marcas a crescerem seus negócios de forma consciente. E também somos a favor de um Green Friday, por isso nessa data de descontos baixos, optamos por não fazer parte e o mais legal?, doaremos uma planta para reflorestamento a cada compra feita em nosso site na semana do black friday.

Mude suas escolhas, compre de quem faz!

fonte: https://www.euronews.com/living/2019/11/24/do-you-know-the-true-cost-of-your-black-friday-purchases