contact@thirtyseventrend.com
SLOW FASHION SHOP | MADE IN BRAZIL

Carrinho

Um olhar mais atento à definição e por que é hora de desacelerar.

A palavra Fast Fashion , em português “moda rápida” tornou-se uma palavra de efeito recentemente, mas o que realmente significa? Cada vez mais a moda vem passando por mudanças, e para passar do fast fashion para um setor mais sustentável, como o slow fashion, é preciso estar entender o que realmente essa indústria representa.  E aqui separamos  três definições que vão te ajudar:

“O Fast fashion pode ser definido como roupas baratas e da moda, que exprimem idéias de desfiles e passarelas ou da cultura das celebridades e as transformam em peças de vestuário em lojas de rua e em alta velocidade.”

Good on You

“Moda rápida” é um termo usado pelos varejistas de moda para descrever designs baratos que passam rapidamente da passarela para as lojas para atender a novas tendências. Como resultado dessa tendência, a tradição de introduzir novas linhas de moda em uma base sazonal está sendo desafiada. Hoje, não é incomum os varejistas de moda rápida introduzirem novos produtos várias vezes em uma única semana para permanecerem na moda.”

INVESTOPEDIA

“Uma abordagem para o design, criação e comercialização de roupas que enfatiza a disponibilização rápida e barata das tendências da moda aos consumidores.”

Merriam Webster

Para entender é importante primeiro fornecer o contexto geral. A indústria da moda, até meados do século XX, funcionava com quatro estações por ano: outono, inverno, primavera e verão. Os designers trabalhavam muitos meses antes para planejar cada estação e prever o que eles acreditavam que os clientes desejariam. Esse método, embora hoje seja mais metódico, tirava a ação dos usuários nas escolhas das tendências. Antes de a moda se tornar acessível às massas, ela era prescrita basicamente à alta sociedade e havia regras a serem seguidas.

“O moda rápida utiliza replicação de tendências, produção rápida e materiais de baixa qualidade, a fim de trazer estilos baratos ao público.”

É claro que a Revolução Industrial plantou sementes para o que sabemos sobre a  moda de hoje. Não foi tão drástico na época como é hoje e com todos os problemas causados ao clima atual e ao meio ambiente.

Infelizmente, isso resulta em impactos prejudiciais ao planeta, bem-estar humano e, finalmente, às nossas carteiras.

Replicação de tendências e produção cada vez mais rápida

Atualmente, as marcas de moda rápida produzem cerca de 52 “micro estações” por ano. Isso significa pelo menos uma nova “coleção” toda semana. De acordo com a autora Elizabeth Cline, a sempre popular Zara começou a moda mudando para entregas quinzenais de novas mercadorias nas primeiras semanas. A partir de então, tornou-se a norma ter um suprimento imenso de estoque o tempo todo. Esse modelo quebrou a forma como consumidor estava acostumado, trouxe uma demanda exagerada e um habito por buscar sempre o novo.

Hoje, empresas como “H&M e Forever21 recebem remessas diárias de novos estilos, enquanto a Topshop introduz 400 estilos por semana em seu site”.

Atualmente, a maioria das empresas que se enquadram na categoria fast fashion estão replicando as tendências de streetwear e semanas de moda à medida que aparecem em tempo real. Isso significa que o prazo de entrega geralmente pode ser inferior a algumas semanas. Ao criar estilos novos e desejáveis semanalmente, essas marcas criaram grandes quantidades de estoque e diversificação de produto que criou um estilo de vida onde insustentável para o planeta, onde o cliente nunca pode se cansar do inventário das lojas, querem sempre novidades.

Por um lado a moda se tornou acessível e o cliente passou a ter poder em suas escolhas e a ditar a moda, por outro as marcas que trouxeram essa independência também contribuíram para a dependência de seus clientes por novidade o tempo todo, o que é insustentável para indústria, trabalhadores e principalmente para o planeta.

É o famoso caso do ovo e da galinha. , ninguém sabe o que veio primeiro – o desejo do consumidor de novidades  e acelerar o ritmo ou os principais players do setor que convenceram os consumidores de ele precisa de novidades o tempo todo e de adquirir peças de moda a um preço muito baixo.

Baixa qualidade e custos ainda mais baixos

É importante ressaltar que preços baixos também veem com trabalhadores sendo mal pagos, com péssimas condições de trabalho, as vezes escravo. A autora e jornalista Lucy Siegle resumiu isso no documentário The True Cost. “A moda rápida não é grátis. Alguém está pagando em algum lugar.

Sem contar a poluição e problemas ambientais que a produção de 80 bilhões de peças de moda produzidas anualmente causa.

Peças feitas de maneira rápida e barata são de baixa qualidade. Não há tempo suficiente para um controle de qualidade adequado ou para garantir que uma camiseta tenha a quantidade certa de botões quando houver tanta urgência da marca em levar roupas para uma multidão de clientes.

No fim se paga barato, porém a durabilidade que deveria ser de estações e anos, se reduz em apenas algumas utilizações, virando descarte e lixo nos aterros.

Empresas como H&M e Zara estão muito preocupadas com seus resultados e estão apostando no “oceano de roupas” que produzem para obterem lucros. Essas marcas são capazes de ganhar milhões enquanto vendem peças baratas por causa do grande número de itens que vendem diariamente.

Impacto ambiental e violações dos direitos humanos

Todos os elementos da moda rápida – replicação de tendências, produção rápida, baixa qualidade, preços competitivos – resultam em um grande impacto no meio ambiente e nas pessoas envolvidas em sua produção.

Os danos ambientais, que a indústria da moda continua a criar, devem-se em grande parte ao fast fashion. Marcas como Forever21 usam produtos químicos tóxicos, corantes perigosos e tecidos sintéticos que se infiltram no abastecimento de água em países estrangeiros onde as roupas são feitas e em casa, onde as roupas são lavadas.

A cada ano, as roupas que são simplesmente jogadas fora são de cerca de 11 milhões de toneladas somente nos EUA. Essas roupas, cheias de chumbo, pesticidas e inúmeros outros produtos químicos, quase nunca se decompõem e passam a vida liberando esses produtos químicos tóxicos no ar.

Juntamente com os efeitos que o fast fashion tem em nossa terra, esses processos afetam as pessoas que os usam e as pessoas que os fazem. Algumas peças de vestuário e acessórios têm até quantidades perigosas de chumbo, e a exposição ao chumbo aumenta o risco de infertilidade, ataques cardíacos e muito mais. A pele é o maior órgão do corpo humano, e colocar esses itens na pele é perigoso por si só. Esse perigo só cresce nas fábricas, cidades e casas usadas para produzir esses itens.

A saúde de um trabalhador do vestuário é constantemente prejudicada por suas longas horas, falta de recursos, exposição a produtos químicos nocivos e, muitas vezes, abuso físico. Foi confirmado que as pessoas que fazem roupas de moda fast fashion são mal remuneradas, mal alimentadas e levadas ao limite porque a produção não pode parar.

A ascensão da moda lenta, o SLOW FASHION

Embora a indústria da moda como um todo seja culpada de cometer muitos crimes contra as pessoas e ao meio ambiente e mais evidente quando se trata do Fast fashion. A moda lenta (slow fashion) é um movimento em direção à fabricação consciente, direitos trabalhistas justos, materiais naturais e roupas duradouras. Moda consciente significa que existem marcas, comunidades e indivíduos que estão lutando pela segurança da nossa terra e de outros seres humanos. A compra de uma peça de roupa de uma marca responsável garante que você obtenha um produto de qualidade e proteja aqueles que mais precisam.

Por isso nós da Thirty Seven Trend, decidimos apoiar marcas e produtos SLOW. Vem conferir todas as marcas e coisas lindas que separamos para vocês. Mude suas escolhas, compre de quem faz!

Ao ingerir alimentos saudáveis como em uma dieta baseada em vegetais você pode ajudar a prevenir e a tratar doenças crônicas, você sabia?. Além disso, uma dieta baseada em vegetais é amplamente aceita como a mais sustentável e ecológica. Tem suas dúvidas se é possível comer bem e alimentos saborosos?

Continue a ler “10 influenciadoras que te farão repensar sobre alimentação vegetariana e vegana!”

Após o coronavírus, os especialistas da indústria da moda prevêem dois caminhos para o progresso da sustentabilidade, com risco de aumentar a diferença de progresso.

A pura calamidade que o coronavírus causou em um piscar de olhos, impactando severamente as indústrias globais, é um presságio dos desafios futuros.

Continue a ler “Após a pandemia do coronavírus, a indústria da moda se reconstruirá de maneira sustentável?”