De acordo com a Organização Internacional do Trabalho, cerca de 260 milhões de crianças estão empregadas em todo o planeta. Destes, em torno de 170 milhões estão envolvidos com o trabalho infantil definido pela ONU como “trabalho para o qual a criança é muito jovem – trabalho realizado abaixo da idade mínima exigida – ou trabalho que, por sua natureza ou condições prejudiciais, é considerado totalmente inaceitável para crianças e é proibido”. Nesse ínterim, hoje iremos abordar a escravidão moderna na moda, que sim, infelizmente acontece e muito!

O trabalho infantil é proibido por lei na maioria dos países, mas continua prevalecendo em algumas das partes mais pobres do mundo.

A moda não deveria custar vidas e não deveria custar nosso planeta. No entanto, é isso que está acontecendo!. Globalização, fast fashion, economia de escala, mídia social e produção offshore criaram uma tempestade perfeita para o consumo de moda barato, fácil e abundante.

E há poucos sinais de aceleração: a produção de roupas quase dobrou nos últimos 15 anos.

A moda está repleta de desigualdade de gênero, degradação ambiental e abusos dos direitos humanos – todos os quais estão intrinsecamente interligados. A campanha Fashion Revolution começou devido à falta de resposta do setor da moda às contínuas tragédias que ocorrem na confecção de roupas, como a morte de 1.138 trabalhadores do setor de confecções quando a fábrica Rana Plaza desabou em Dhaka, Bangladesh, em 24 de abril de 2013.

Vamos conhecer um pouco mais sobre este lado da moda, que muitos ainda, fingem não ver ou dar a devida atenção.

O que está sendo feito para diminuir a escravidão moderna na moda

De acordo com a OIT – Organização Internacional do Trabalho – estima-se que 170 milhões estão engajados na escravidão moderna da moda, trabalhadores da área têxtil e confecções de roupas tudo para satisfazer a demanda dos consumidores na Europa, nos Estados Unidos e muitos outros países.

A situação melhorou, mas ainda falta bastante coisa a ser modificada. Os dados da OIT sugeriram que o trabalho infantil diminuiu 30% entre 2000 e 2012, mas ainda 11% das crianças do mundo estão em situações que as privam do direito de ir à escola sem interferência do trabalho.

Por que existe a escravidão moderna na moda?

A fast fashion engendrou uma corrida ao fundo do poço, obrigando as empresas a encontrar fontes de mão-de-obra cada vez mais baratas. Essa mão-de-obra barata está disponível gratuitamente em muitos dos países onde ocorre a produção de têxteis e vestuários.

Sofie Ovaa, coordenadora global da campanha Stop Child Labour, diz: “Há muitas meninas em países como Índia e Bangladesh, que estão dispostas a trabalhar por preços muito baixos e são facilmente trazidas para essas indústrias sob falsas promessas de ganhar salários decentes”.

Um relatório recente do Centro de Pesquisa sobre Corporações Multinacionais (SOMO) e do Comitê Indiano da Holanda (ICN), revelou que os recrutadores no sul da Índia convencem os pais em áreas rurais empobrecidas a enviar suas filhas para fiações com promessas de um emprego bem pago, acomodação confortável, três refeições nutritivas por dia e oportunidades de treinamento e escolaridade.

Além de um pagamento único ao final de três anos. A pesquisa de campo mostra que “na realidade, eles estão trabalhando em condições terríveis que equivalem à escravidão moderna e às piores formas de trabalho infantil”

O trabalho infantil é um problema específico para a moda porque grande parte da cadeia de suprimentos requer mão de obra pouco qualificada e algumas tarefas são ainda mais adequadas para crianças do que para adultos.

Na colheita do algodão, os empregadores preferem contratar crianças por conta dos dedinhos, que não prejudicam a colheita. Impressionante, não é mesmo?

As crianças são vistas como trabalhadores obedientes que não escapam do radar, tornando-os fáceis de controlar. Ovaa afirma: “Não há mecanismos de fiscalização ou controle social, nem sindicatos que os ajudem a negociar melhores condições de trabalho. São trabalhadores pouco qualificados e sem voz, então são alvos fáceis.”

Os empregadores se safam porque a cadeia de suprimentos da moda é extremamente complexa e é difícil para as empresas controlarem todas as fases da produção. Isso torna possível empregar crianças sem grandes alardes e os consumidores jamais descobrirão.

Onde acontece mais a escravidão na moda em todo o mundo?

A escravidão moderna na moda acontece em todas as fases da cadeia de abastecimento na indústria da moda. Desde a produção de sementes de algodão no Benin, a colheita no Uzbequistão, a fiação de fios na Índia, até as diferentes fases de confecção de roupas em fábricas em Bangladesh.

Na indústria do algodão, as crianças são empregadas para transferir o pólen de uma planta para outra. Estão sujeitos a longas jornadas de trabalho, exposição a agrotóxicos e, muitas vezes, são pagos abaixo do salário-mínimo.

Nos países em desenvolvimento onde o algodão é uma das principais culturas, as crianças são recrutadas para ajudar na colheita e os relatórios sugerem que, trabalham longas horas semeando algodão na primavera e durante os meses de verão.

Na próxima etapa da cadeia, nas fábricas de fios e fiações, o trabalho infantil é galopante. O relatório SOMO, descobriu que 60% dos trabalhadores nas fábricas que investigou na Índia tinham menos de 18 anos quando começaram a trabalhar lá; os trabalhadores mais jovens tinham 15 anos quando iniciaram a jornada.

A utilização intensiva da escravidão moderna na moda por conta de sua mão de obra

A moda é uma das indústrias que mais exige mão de obra, empregando diretamente pelo menos 60 milhões de pessoas.

A produção artesanal é o segundo maior empregador em toda a parte Sul do Globo. A Índia conta com cerca de 34 milhões de artesãos artesanais.

As mulheres representam a esmagadora maioria desses artesãos e dos trabalhadores de vestuário de hoje. O índice Global de Escravidão estima que 40 milhões de pessoas estão vivendo na escravidão moderna hoje, muitas das quais estão no Hemisfério Sul trabalhando nas cadeias de suprimentos de marcas de roupas ocidentais.

A escravidão moderna na moda, embora não definida por lei, “cobre um conjunto de conceitos jurídicos específicos, incluindo trabalho forçado, servidão por dívida, casamento forçado, escravidão e práticas semelhantes à escravidão e tráfico de pessoas.”

Refere-se a situações como forçadas a trabalhar horas extras sem serem pagas, crianças sendo forçadas a colher algodão pelo governo do Uzbequistão quando deveriam estar na escola, mulheres sendo ameaçadas de violência se não completarem um pedido a tempo e trabalhadores tendo seus passaportes levados até que eles dediquem ao custo de transporte para levá-los à fábrica, seus aposentos e comida.

A moda é uma das cinco principais indústrias implicadas na escravidão moderna por organizações de defesa. Os países do G20 importaram US $ 127,7 bilhões em roupas da moda identificadas como produtos de risco da escravidão moderna. O Canadá foi identificado como um dos 12 países do G20 que não estão tomando medidas contra a escravidão moderna.

O que nós podemos fazer para ajudar a combater a escravidão moderna na moda?

O colonialismo ambiental deve ser enfrentado se quisermos mudanças na desigualdade de gênero, a degradação ambiental e os abusos dos direitos humanos. As pessoas mais pobres e sua mão de obra barata são aproveitadas para fazer roupas.

Quando “nós”, o mundo ocidental, acabamos com nossa moda, exportamos de volta nossas roupas indesejadas para outras nações.

Essas “doações” destroem essas comunidades enchendo seus aterros sanitários e deterioram suas economias locais, pois os artesãos e empresas locais não podem competir com os preços baratos de nossas doações descartadas.

Esses trabalhadores são aqueles que fazem horas extras sem remuneração e voltam para casa, para os cursos d’água contaminados das fábricas. Eles sofrem de doenças causadas por viver em áreas devastadoramente poluídas.

Transparência e rastreabilidade por parte das empresas são fundamentais. E transparência envolve: abertura, comunicação e responsabilidade. Como cidadãos deste planeta, precisamos exigir transparência e responsabilidade.

Não podemos mais viver o mesmo estilo de vida a que nos acostumamos e continuar perseguindo a mão de obra mais barata e explorando os recursos naturais, não é mais uma opção.

Aqui estão cinco coisas que você pode fazer para ajudar a erradicar a escravidão moderna:

  1. Compre de empresas que você tenha certeza de que não utilizam mão de obra escrava, que produzam em pequenas quantidades – slow fashion – aqui na 37 Trend você encontra diversas!
  2. Não compre de marcas que exploram pessoas, pesquise e se informe. O app Moda Livre indica marcas que já foram pegas usando trabalho escravo no Brasil e as que se comprometem em cuidar de toda a cadeia produtiva para que não tenha exploração de pessoas.
  3. Vote em políticos comprometidos com essas questões e uma vez no poder cobrem ações efetivas
  4. Assine petições contra o trabalho escravo.
  5. Doe e apoie instituições que combatem esse mal.

Faça como nós da 37trend e diga não a escravidão moderna na moda e vamos juntos reconstruir uma moda melhor?

SOBRE A AUTORA

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é THAIS_MALULY-1024x1024.png

THAIS MALULY

Jornalista, redatora e uma canceriana sonhadora. Acredita que viver é desenhar sem borracha! Gosta daquilo que a desafia. O fácil nunca a interessou. Já, obviamente impossível sempre a atraiu e faz de todos os seus recomeços e desafios uma força tangente para seu crescimento. Acredita que a união de pessoas podem e conseguem fazer desse planeta um local muito melhor de se viver. O amor sempre será a resposta!